quarta-feira, 31 de março de 2010

Do verbo amar

Sentiu uma dor forte no peito. O coração palpitou, assobiou, ele pensou que ia morrer ali mesmo. Respirou fundo, o ar não veio, se apoiou sobre a mesa vazia.

Era só tristeza – e o irremediável sufixo da condição de amar. Lamentou, pois, estar enganado sobre o mal súbito. Sofria de algo muito pior. Sofria de amargura.

quinta-feira, 11 de março de 2010

Fones de ouvido

Ele se estica na cama, cansado, depois do trabalho.

- Quem desplugou os fones de ouvido do meu IPod?

Ela, enrolada na toalha, sai do banheiro.

- Que tem o seu IPod?

- Os fones de ouvido. Estão desplugados.
- Mas estão junto com o aparelho.
- É, eu sei.
- Então.
- Mas quem desplugou?
- Fui eu. Por quê?
- Nada, sei lá.
- Eu só estava arrumando a casa.
- Mas precisava desplugar?
- Foi pra deixar enroladinho do lado do aparelho.
- Mas ele pode ficar enroladinho plugado.
- Muda alguma coisa pra você?
- Precisava?
- Muda alguma coisa?
- Absolutamente nada.
- Então.
- Justamente por isso.
- O quê?
- Se não muda nada, por que você tinha que desplugar?
- Isso é importante pra você?
- Não é pra mim, mas deve ser pra você.
- Pra mim?
- Se não fosse, você não teria mexido.
- Meu Deus, que drama...
- Você poderia plugar de novo, por gentileza?
- O quê?!
- Você ouviu.
- Mas é claro que eu não vou fazer isso.
- Ué, por quê?
- Faça você mesmo, você tem mãos.
- Pluga.
- Não plugo.
- Não?
- Não!
- Continue assim...
- Você está brigando comigo por causa dos fones de ouvido?
- Não. Eu só perguntei.
- Porque não gostou.
- Não gostei.
- Por que não gostou?
- Porque não tem por que desplugar.
- Mas...
- O que você pensou na hora?
- Que hora?
- Dá uma olhada.
- Onde?
- No criado-mudo.
- Hm.
- Ele parece mais arrumado?
- Ah, sei lá.
- Falei...
- Mas eu só quis ajudar!
- Ajudar a não ouvir mais música?
- Meu Deus, como você está chato.
- Não é chato. Eu só estou interessado.
- No quê?
- Desplugar um fone de ouvido pode dizer muito sobre uma pessoa.
- E o que isso diz sobre mim?
- Ainda não sei, você precisa responder algumas perguntas antes.
- Tipo?
- Tipo o que você pensou na hora de desplugar.
- Pensei que...
- Seja sincera.
- Me deixa falar!
- Diz.
- Eu pensei que você ia gostar de ver tudo arrumadinho.
- Prefiro ouvir música.
- Mas você ainda pode ouvir música.
- Mas precisarei plugar o fone de ouvido.
- Custa plugar um fone de ouvido?
- Nada. Custa deixá-lo no lugar?
- Mas ele está no lugar, cacete!
- Desplugado.
- Ai, chega, não quero mais te ouvir.
- Ponha os fones.
- Hã?
- Ponha os fones de ouvido no ouvido.
- Pra quê?
- Pra não me ouvir mais.
- Boa ideia! Você é chato, mas pensa.
- Não é?
- Dá eles aqui.
- Tó. Mas você já sabe...
- ?
- Pra não me ouvir, você vai ter de plugá-los.